Fim da CPI do Tesoureiro completa um mês sem avanço

0
34

Nesta terça-feira (15) completa um mês do fim da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) do Tesoureiro, que pediu o indiciamento do ex-prefeito de Campina Grande, no Agreste paraibano, e atual deputado federal Veneziano Vital do Rego (PMDB) e mais nove pessoas. Entretanto, o documento não foi entregue à justiça, nem às polícias Civil e Federal para investigação até esta segunda-feira (14). Segundo o presidente da Câmara de Vereadores da cidade de Campina Grande, onde a CPI foi realizada, Pimentel Filho (PSD), as cópias do documento ainda precisam ser autenticadas em cartório antes de serem entregues.

A CPI do Tesoureiro, como foi batizada, teve duração de seis meses e foi encerrada no dia 15 de fevereiro com a leitura de um relatório de 125 páginas, elaborado pelo vereador Alexandre do Sindicato (PHS). No fim da CPI foi pedido o indiciamento do deputado federal Veneziano Vital do Rego, oito ex-auxiliares e um empresário por improbidade administrativa, crime de responsabilidade, associação criminosa, peculato, falsidade ideológica, e fraude em licitação.

No último relatório apresentado foram constatadas denúncias do ex-tesoureiro Renan Trajano, de que a empresa JGR Construções ganhou uma licitação através de fraude no ano de 2009, quando Veneziano Vital do Rego era prefeito de Campina Grande. Na época a empresa teria recebido R$10,3 milhões para obras pavimentação e saneamento básico. De acordo com o relatório, parte desse dinheiro teria sido desviado para financiar a campanha do senado de Vital do Rego Filho (PMDB), no ano de 2010, atual Ministro do TCU.
O presidente da câmara disse que preparou ofícios, mas ainda espera a conclusão das autenticações, garantindo que a entrega acontecerá até o final deste mês de março. “Estou marcando uma reunião com os integrantes que estiveram à frente da CPI para irmos pessoalmente entregar as cópias do documento, inclusive em Brasília. São peças longas, com mais de 500 páginas que precisam ser autenticadas e isso tem atrasado um pouco”, disse Pimental Filho.
Quando prontas, as cópias serão encaminhada para a Procuradoria Geral da República, Procuradoria Geral do Município de Campina Grande, Ministério Público Estadual da Paraíba, Tribunal de Contas da União e do Estado, Controladoria Geral da União, Polícia Federal e Polícia Civil para a instauração de inquéritos e processos de investigação. “A Câmara já fez sua parte. Agora é com a justiça”, acrescentou o vereador Pimental.
Na semana em que o relatório foi apresentado, o deputado Veneciano Vital disse que “a CPI foi constituída para nos provocar, nos agredir para gerar algum tipo de desgaste à nossa imagem, quando eu era um pretenso candidato a prefeito, utilizando outros interesses e espaços midiáticos para tentar me atingir. Essa é a prática de meus inimigos políticos. É lamentável uma Comissão Parlamentar que faça esse papel, que não tenha seriedade, que diminui o parlamento, diminui a própria casa legislativa”, disse ele.

G1

Comentários