PB tem mais de 450 mil fumantes e Saúde faz testes e exames gratuitos

0
38

A Paraíba tem 453.546 fumantes (11,5% da população) e, destes, 89.784 estão em João Pessoa, conforme dados do Instituto Nacional do Câncer (Inca). O tabagismo é considerado pela Organização Mundial da Saúde (OMS) a principal causa de morte evitável em todo o mundo. A OMS estima que um terço da população mundial adulta – cerca de 1 bilhão e 200 milhões de pessoas – seja de fumantes. Nesta terça-feira (15) ocorre o Dia Estadual de Combate ao Fumo, com ações em todo o estado; veja abaixo a programação.

Em João Pessoa, o Hospital Universitário Lauro Wanderley tem programação a partir das 8h até as 11h30, com o objetivo de trabalhar a prevenção do tabagismo.

Serão oferecidos testes de espirometria (mede a função pulmonar); Fagerstrom (avalia o grau de dependência à nicotina) e monoximetria (avalia a concentração de monóxido de carbono no ar expirado); além de orientações sobre os malefícios do tabagismo e distribuição de material educativo.

As atividades serão realizadas por meio de parcerias com a Secretaria Municipal de Saúde de João Pessoa; Agência Estadual de Vigilância Sanitária (Agevisa); Associação Médica da Paraíba (AMPB); Conselho Regional de Medicina (CRM); Sociedade Paraibana de Pneumologia; Sociedade Brasileira de Cardiologia/Região Paraíba; Liga os planos de saúde – que vão desenvolver atividades alusivas em seus respectivos espaços, também no dia 15 de março – Unimed, Afrafep, Cassi e Geap.

A nicotina, presente no cigarro, causa dependência e age na região do cérebro cerca de 50 doenças graves estão relacionadas ao tabaco, entre elas: câncer de pulmão, boca, laringe, estômago; leucemia; infarto; bronquite; infecções respiratórias; trombose vascular. A fumaça do cigarro tem mais de 4600 substâncias, entre elas 40 são cancerígenas.

Na Paraíba, existem hoje 37 Centros de Referência para Tratamento dos Fumantes, onde se pode buscar apoio para se livrar do vício em nicotina. O serviço é oferecido em Unidades de Saúde da Família; em Centros de Atenção Psicossocial (Caps); Centros de Atenção Integral à Saúde (Cais); Núcleos de Apoio à Saúde da Família (Nasf) e Centros de Saúde. Em alguns casos, os pacientes abandonam o cigarro com menos de um mês de acompanhamento.

O tratamento nesses locais é mantido pelo Ministério da Saúde, que repassa medicamentos ao Estado. Este, por sua vez, é responsável pela qualificação das equipes, monitoramento do trabalho nos centros e pelo encaminhamento do material enviado pelo Ministério. Os municípios entram com a administração das unidades de saúde.

Referência – Os hospitais de referência no Estado no combate aos tipos de câncer relacionados ao uso do tabaco – pulmão, esôfago e laringe – são o Napoleão Laureano; Oncoclínica e Hospital Universitário Lauro Wanderley, em João Pessoa; e Hospital da Fundação Assistencial da Paraíba (Fap) e Hospital Universitário Alcides Carneiro (HUAC), em Campina Grande.

 

Portal Correio

Comentários