229 presos da Paraíba foram confirmados com covid-19

0
18

O número de presos contaminados pelo novo coronavírus, desde quando se espalhou a pandemia no Estado, chegou a 229 – isso representa 1,7% da população carcerária que é de 13.500 na Paraíba. Atualmente, estão em tratamento, qquatro reeducandos. Já foram realizados 2 mil testes nos presídios. No mês passado, o sistema penitenciário registrou um pico nos números, quando havia 65 deles em tratamento, na Penitenciária Média, que fica no bairro de Mangabeira, em João Pessoa.

O secretário de Estado da Administração Penitenciária (Seap), tenente-coronel Sérgio Fonseca, explicou que dentro do Plano de Contingência se estabeleceu a Penitenciária de Segurança Média Juiz Hitler Cantalice, no bairro de Mangabeira, em João Pessoa, para atender os presos com a doença. “Preparamos uma estrutura diferenciada para atender os reeducandos, mas em todas as unidades prisionais se destinou uma cela para isolamento caso ele apresentasse sintomas. Sabendo disso, a gente ia até o local e fazia o teste. Com o resultado positivo, ele é trazido para a Média para o tratamento”, comentou.

Nessa penitenciária, que tem o centro de tratamento da covid, há equipes de saúde e do sistema prisional. “O preso toma a medicação no momento certo. Se tem algum agravamento, a gente tem uma facilidade maior de conduzir para um hospital de referência para tratamento. E hoje temos apenas cinco em tratamento. Nós temos, 97,5% dos reeducandos que já se recuperam do covid-19. A gente entende que as decisões tomadas no nosso plano de contingência foram fundamentais para até esse momento, nós tivéssemos sucesso para combater o coronavírus”, frisou.

Para a proteção do coronavírus, os detentos já receberam três máscaras reutilizáveis e mais uma quantidade de descartáveis. O banho de sol está garantido, mas as visitas de familiares estão suspensas desde o início da pandemia e ainda sem previsão para o retorno. Durante os quatro meses, os detentos já produziram 200 mil máscaras. O secretário ainda informou que foram feitas 2 mil testagens nos presídios paraibanos.

Comentários