32 cidades paraibanas apresentam situação de risco para ocorrência de surto de dengue, chikungunya e zika

0
39

O primeiro Levantamento Rápido de Índices para o mosquito Aedes Aegypti – LIRAa/LIA, de 2020, realizado por 222 municípios da Paraíba revelou que 32 cidades apresentam situação de risco para ocorrência de surto de dengue, chikungunya e zika. A pesquisa foi feita pela Secretaria de Estado da Saúde (SES), por meio da Gerência Operacional de Vigilância Ambiental, divulgou nesta terça-feira (28) .

A pesquisa foi feita entre os dias de 06 a 10 de janeiro com o objetivo de nortear as ações de combate contra o mosquito transmissor e promover comunicação e mobilização, por meio de ampla divulgação dos resultados na mídia estadual.

“Divulgar os resultados é uma importante ferramenta para obter o apoio das ações de enfrentamento do problema nos municípios, podendo contar com a adesão da população e de setores externos ao âmbito da saúde”, disse o chefe do Núcleo de Fatores Biológicos da SES, Luiz Almeida.

Segundo Almeida, dentre as recomendações da SES para o combate do mosquito, levando em consideração o forte calor e a intermitência de chuvas, estão a intensificação das ações por parte das Secretarias Municipais de Saúde, de modo integrado, aos diversos setores locais como infraestrutura, limpeza urbana, Secretaria de Educação e Meio Ambiente, e outras áreas afins; sensibilizar a população para eliminação de criadouros do mosquito; integrar os Agentes de Combate à Saúde e de Endemias, no combate aos criadouros e na identificação/sinalização dos casos suspeitos.

“Os focos do mosquito, na grande maioria, são encontrados dentro de casa, quintais e jardins. Daí a importância das famílias não esquecerem que o dever de casa, no combate, é permanente. Pelo menos uma vez por semana deve ser feita uma faxina para eliminar copos descartáveis, tampas de refrigerantes e lavar bem a caixa d’água e vedar. Além de não deixar água acumulada em pneus, calhas e vasos e deixar garrafas cobertas ou de cabeça para baixo”, alertou Almeida.

LIRAa – Todos os 223 municípios deverão realizar, anualmente, quatro ciclos de LIRAa ou LIA (este último para municípios abaixo de 2.000 imóveis), de modo amostral, nos meses de janeiro, março, junho e outubro. Os quarteirões, onde ocorrerá o levantamento, são escolhidos por sorteio eletrônico, através do Sistema LIRAa/LIA. As larvas encontradas são enviadas para os laboratórios das 12 Gerências Regionais de Saúde (GRS), onde são identificados se são do mosquito Aedes Aegypti.

A partir do levantamento, realizado pelos Agentes de Controle de Endemias dos municípios, é feita uma classificação de risco, proposta pelo Ministério da Saúde, por meio do Programa Nacional de Controle da Dengue: abaixo de 1% da quantidade de imóveis com larvas, é considerado satisfatório; entre 1 e 3,9%, em alerta; e acima de 3,9%, em risco para ocorrência de epidemia.

Comentários