Pedido do MEC para escolas gravarem crianças cantando Hino Nacional vira meme

0
365

O pedido do Ministério da Educação para que as escolas gravem seus alunos cantando o Hino Nacional, feito na segunda-feira, virou fonte de memes e protestos na manhã seguinte.

Nesta terça-feira, já circulavam na internet vídeos fazendo piada com a carta enviada pelo ministro da Educação às escolas. Nela, Ricardo Vélez Rodríguez pede que diretores registrem em vídeo os alunos cantando o Hino Nacional , perfilados diante da bandeira dop Brasil, e também que leiam uma carta de volta às aulas que termina com o slogan da campanha do presidente Jair Bolsonaro nas eleições: “Brasil acima de tudo. Deus acima de todos!”.

 

O pedido relacionado ao Hino Nacional, especificamente, motivou novos memes e também a volta de antigos, como um vídeo em que crianças e adolescentes aparecem com a mão no peito, de postura ereta olhando para frente como se vissem a bandeira. Tão logo terminam os primeiros acordes do Hino, as crianças começam os passos de um funk.

Em outro vídeo, a legenda anuncia: “Já tem o primeiro vídeo de uma escola cantando o hino nacional”. No que parece ser o pátio de uma escola, crianças com mochila entre policiais fardados dançam ao som de “Hoje eu vou parar na gaiola”, de MC Livinho.

Num outro registro, o Hino Nacional faz trilha para imagens de uma escola com carteiras quebradas e infiltrações por todos os lados. A água da chuva escorre pelas paredes, pelo quadro negro e alaga a sala de aula.

 

O rosto do ministro da Educação também já estampa memes, e há críticas que lembram dos problemas estruturais enfrentados por escolas públicas e das condições em que muitas vezes vivem os estudantes.

O pedido feito pelo MEC inclui ainda a solicitação para que os materiais registrados — tanto do momento do Hino Nacional quanto daquele da leitura do slogan de campanha eleitoral de Bolsonaro (“Brasil acima de tudo, Deus acima todos!”) — sejam enviados para o governo federal em “trechos curtos”. Questionada pelo GLOBO sobre o motivo de ter usado o slogan de campanha do presidente Jair Bolsonaro em uma mensagem oficial do governo, a pasta não respondeu.O MEC também não informou quantos pedidos foram enviados.

Comentários