1º dia na prisão: prefeito de Bayeux está numa cela de 6 m², não toma banho de sol e divide banheiro coletivo com outros apenados

0
97

O primeiro dia do prefeito afastado de Bayeux, Berg Lima, na cadeia foi considerado tranquilo e nada de luxo. O gestor chegou a sede do 5º Batalhão  na madrugada desta quinta-feira (6) após ter sido a prisão preventiva decretada pelo juiz Aluisio Bezerra. Lima foi preso em flagrante recebendo propina de um empresário.

De acordo com o tenente-coronel Arilson Valério, comandante do 5° BPM, Berg está dividindo uma cela de 6 m² com outro preso.

“Na cela tem uma televisão de 22”, um armário e um ventilador. O prefeito divide a cela com outro preso com curso superior. Há dois banheiros coletivos dentro do pavilhão para todos os presos. Não há mordomia ou regalia para o prefeito”, falou o comandante.

No primeiro dia na prisão, o prefeito tomou café com leite e pão com manteiga de manhã. Ele não saiu para o banho de sol, que acontece entre 8h e 9h. Já o almoço foi feijão, arroz, macarrão e frango.

Prefeito Berg Lima foi preso em flagrante

O flagrante foi realizado durante uma ação realizada pelo Ministério Público da Paraíba (MPPB) e Polícia Civil. O recebimento do dinheiro foi filmado, e o vídeo mostra um empresário fornecedor da prefeitura de Bayeux contando o dinheiro, que soma R$ 3,5 mil, e entregando ao prefeito. As informações são do promotor de Justiça e coordenador do Grupo de Atuação Especial contra o Crime Organizado (Gaeco) do Ministério Público da Paraíba, Octávio Paulo Neto.

O dinheiro seria uma contrapartida para que o empenho do empresário fosse liberado. Nas imagens, após a contagem do dinheiro, o prefeito faz uma ligação para um secretário, solicitando a liberação do empenho. No diálogo, o fornecedor pede a liberação do empenho. “Me dê uma ‘brechinha’ para eu trabalhar, homem, eu estou precisando de um fôlego”, diz o empresário.

“Coloque num envelope, por favor”, pede o prefeito Berg Lima antes de receber o valor da suposta propina.

O Tribunal de Justiça decretou, além do afastamento de Berg Lima do cargo de prefeito, a prisão preventiva dele. O político está detido no Centro de Ensino da Polícia Militar.

Segundo o delegado de Defraudações e Falsificações de João Pessoa (DDF), Lucas Sá, não há suspeita de envolvimento de outras pessoas no esquema. Pelos crimes, Berg Lima pode ser condenado a até 24 anos de prisão. O empresário que filmou o pagamento da suposta propina a Berg Lima foi um colaborador premiado e era “vítima” das “condutas” do gestor, segundo afirmou o delegado.

“Todas as negociações tratativas, todos os valores eram pagos diretamente ao prefeito, em espécie e em mãos”, explicou o delegado.

De acordo com Lucas Sá, o empresário não receberia os valores devidos a ele se não pagasse a suposta propina solicitada pelo prefeito. “Então não existia outra conduta pra ele. Ou pagava a propina ou ficava sem receber e fechada suas empresas. Ele preferiu pagar, mas comunicar os fatos à polícia e possibilitar, então, a prisão do prefeito”, disse.

Investigação

A Promotoria do Patrimônio Público de Bayeux instaurou, nesta quinta-feira (6), um inquérito civil público para apurar a conduta do prefeito afastado de Bayeux, Berg Lima (Podemos), sob o aspecto da defesa do patrimônio público e probidade administrativa. De acordo com a promotora de Justiça Fabiana Lobo, embora o aspecto criminal do caso seja atribuição da Procuradoria-Geral de Justiça, o aspecto cível é de atribuição da Promotoria do Patrimônio. Ela vai solicitar ao Gaeco cópias da documentação que motivou a prisão do gestor. Ainda segundo a promotora, o inquérito civil poderá resultar em ação civil pública por improbidade administrativa contra o prefeito afastado.

TCE

O Tribunal de Contas da Paraíba (TCE-PB) decidiu fazer uma auditoria no município de Bayeux, na Grande João Pessoa para avaliar a situação fiscal, financeira e orçamentária na cidade. A decisão foi tomada um dia depois da prisão do prefeito Berg Lima (Podemos), flagrado recebendo suposta propina de um empresário.

 

Comentários