Ricardo reprova possível filiação de Alckmin ao PSB: “Não é o perfil do nosso partido”

0
27

Em meio aos avanços do xadrez eleitoral de 2018, o governador da Paraíba, Ricardo Coutinho (PSB), comentou a possibilidade de filiação do governador de São Paulo, Geraldo Alckmin, ao seu partido para ocupar o espaço político do ex-governador de Pernambuco, Eduardo Campos (PSB), falecido em 2014. Alckmin tem reforçado a aproximação com integrantes da cúpula socialista, a partir do vice-governador de São Paulo, Márcio França (PSB).

“Eu acho que você deve fazer uma filiação em função daquilo que você pensa. Acho que o perfil do ilustre governador Geraldo Ackmin não é o perfil do nosso partido. Com todo respeito que tenho ao governador paulista, privo da sua cordialidade, não tenho nada pessoal contra ele, mas penso que ao PSB cabe um outro papel. Devemos procurar um caminho que se aproxime do nosso ideário”, declarou.

O governador ainda lembrou que não entendeu a postura do seu partido durante o processo de impeachment da ex-presidente Dilma Rousseff (PT).

“O partido tem um legado, uma proposição que foi trabalhada pela liderança de Eduardo Campos (morto em acidente aéreo nas eleições de 2014). É preciso ter alguém no mesmo perfil, que una as ideias e pensamentos da esquerda democrática que está no programa do PSB e construirmos uma alternativa para o futuro. Queremos trabalhar esta pauta, revisá-la e apresentá-la dentro de uma agenda para o Brasil e não de fisiologismo político”, acentuou.

Articulação segue avançada

A movimentação do governador Geraldo Alckmin em se aproximar da cúpula do PSB ocorre em meio ao início das discussões internas do partido sobre a disputa pelo comando nacional da legenda, prevista para ocorrer no início do próximo ano.

A nova Executiva do partido será responsável por montar as alianças para a campanha presidencial de 2018. Um dos possíveis cenários avaliados está o de filiar o governador Geraldo Alckmin tendo como contrapartida o seu comprometimento à candidatura ao governo de São Paulo de Márcio França (PSB), atual vice-governador de São Paulo.

Comentários