Empresário paraibano é citado em Operação que prendeu hoje sobrinho do governador do MG

0
44

A Concessionária de veículos automotores Caoa, de João Pessoa, de propriedade do empresário Carlos Alberto de Oliveira Andrade, é citada na operação federal Acrônimo, que tem como principal alvo o sobrinho do governador de Minas Gerais, Fernando Pimentel. A Polícia Federal deflagrou a 7ª fase da Operação na manhã desta terça-feira.

De acordo com o site do jornal O Estado de S. Paulo, Felipe Torres é sócio de Pimentel numa rede do restaurante Madero, em um shopping na cidade de Piracicaba, interior de São Paulo. Ele foi alvo de condução coercitiva. A operação foi autorizada pelo Superior Tribunal de Justiça (STJ). Ao todo foram dois mandados de condução coercitiva no DF, PR e SP.

O segundo alvo da ação foi o empresário Sebastião Dutra, da empresa Color Print. Segundo os investigadores, ele teria omitido notas fiscais falsas para uma empresa que fez obras no restaurante e para a campanha de Pimentel.

A Acrônimo investiga esquema de corrupção envolvendo a liberação de empréstimos do BNDES e outros atos em troca de pagamento de propina para Fernando Pimentel. Na época dos supostos fatos ele era ministro do Desenvolvimento, Indústria e Comércio no governo Dilma Rousseff.

Em maio, Pimentel foi denunciado pela Procuradoria da República. O Ministério Público atribui a ele os crimes de corrupção passiva e lavagem de dinheiro. De acordo com a denúncia, Pimentel foi beneficiário de propina de 2 milhões de reais para favorecer a Caoa, entre 2011 e 2014 – primeiro mandato de Dilma.

O governador também foi acusado, em delação premiada do empresário Benedito Rodrigues de Oliveira Neto, o Bené, de receber 20 milhões de reais do Grupo Caoa. Desse total, segundo o delator, 7 milhões de reais foram repassados diretamente a Pimentel no exterior. O restante teria sido usado na campanha.

Comentários