Raoni diz que obras de Cartaxo tem a ‘marca da enganação’

0
37

Com posse marcada para esta segunda-feira (4) na Assembleia Legislativa da Paraíba, o deputado estadual Raoni Mendes (DEM) declarou que a administração Luciano Cartaxo (PSD) tem provocado uma verdadeira catástrofe em João Pessoa por conta das obras mal feitas.

“Uma gestão que acha que entregar ar-condicionado é obra já mostra sua incapacidade. Cartaxo calçou 39 ruas, na gestão de Ricardo e Agra foram mais de 700. A praça da pedra é menor que um apartamento. Inauguraram até sinal de trânsito com festa. As obras desse prefeito tem a marca da enganação”, disse.

Raoni ressaltou que a obra da Lagoa do Parque Solon de Lucena, que deveria acabar com o caos provocado pelo alagamento da região em dias de chuva, tem sido feita sem responsabilidade e o descaso tem piorado o trânsito de veículos e pedestres no Centro da Cidade.

“A população criou uma expectativa diante do que eles mostraram em 2014, 2015 e ainda em 2016, mas além da marca do desvio e do superfaturamento. Venderam gato por lebre”, afirmou. O prefeito está pensando que o dinheiro do povo é brincadeira? Onde está a responsabilidade de quem banca uma obra que ao ser utilizada detona outras? Quem será responsabilizado por essa incompetência”?, questionou Raoni.

Raoni ainda lamentou as alterações que a Prefeitura de João Pessoa realizou na execução das obras da Lagoa, provocando mudanças significativas em relação ao projeto inicial. Ele defendeu o aprofundamento das investigações e garantiu que 96% dos recursos investidos no local foram do governo federal.

O vereador ainda criticou a ausência de estacionamentos nas imediações, o que segundo ele, comprova a falta de eficiência da gestão.

“A obra da Lagoa se resumiu a construção de 12 praças e não tem funcionalidade nenhuma. É muita retórica para pouco utilidade”, finalizou.

O parlamentar também informou que reforçou o pedido para que o Ministério Público Federal (MPF) acelere as investigações sobre os problemas constatados pela Controladoria Geral da União (CGU) nas obras.

Comentários