Pai baleado por filho de 13 anos em Patos está paraplégico, diz cirurgião

0
3

O homem baleado pelo filho de 13 anos neste sábado (19), em Patos, está internado na área vermelha do Hospital de Emergência e Trauma de Campina Grande. De acordo com o cirurgião geral Caio Guimarães, o pai está paraplégico, mas até o momento não foi feita cirurgia. O menino de 13 anos também é suspeito de matar a mãe e o irmão a tiros. Ele foi transferido para o Centro Especializado de Reabilitação de Sousa, no Sertão da Paraíba.

Ainda conforme o cirurgião geral do Hospital de Trauma, apesar de não sentir as pernas, o homem está sem entubação e consciente e orientado. O caso está sendo avaliado diariamente para novas decisões serem tomadas.

A situação chamou a atenção dos moradores de Patos, município do Sertão da Paraíba onde o caso aconteceu. Morreram uma mulher de 47 anos (mãe do suspeito) e uma criança de sete anos (irmão do suspeito). Além deles, um homem de 57 anos (pai do suspeito), policial militar reformado, foi baleado no tórax e encaminhado em estado grave no Hospital Regional de Patos. Depois ele foi transferido ao Hospital de Emergência e Trauma de Campina Grande, onde permanece internado.

Em depoimento, o menino de 13 anos confessou os disparos. Ele alegou que vinha sendo pressionado para ter boas notas e sendo proibido de usar o celular para jogar e para conversar com os amigos de escola.

No sábado (19), ao ter mais uma vez o celular apreendido, ele considerou que isso era a “gota d’água”.

De acordo com um depoimento prestado na presença de uma advogada e de uma parente, ele declarou que atirou na mãe enquanto ela estava deitada na cama do quarto. Quando o pai voltou da farmácia, ele atirou nele também. Por fim, quando o irmão abraçou o pai, assustado com os tiros, foi baleado pelas costas.

Mãe e irmão morreram na hora. O pai foi transferido para o hospital, pelo Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu), que foi chamado pelo próprio suspeito.

De início, a Polícia Civil da Paraíba tratou o menino como vítima. Com o desenrolar das investigações, percebeu que ele teria participação nas mortes. Depois de negar o ato infracional num primeiro momento, na delegacia ele admitiu a autoria.

Comentários