Sobe para 23 postos o número de postos autuados em JP por aumento nos preços dos combustíveis

0
0

Vinte e três postos de combustíveis de João Pessoa foram autuados na manhã de desta sexta-feira (11), pela Secretaria Municipal de Proteção e Defesa do Consumidor (Procon-JP) devido à alta nos preços da gasolina antes mesmo da aplicação do reajuste previsto pela Petrobras, com validade a partir de hoje. Além de seguir as denúncias dos clientes, o Procon-JP está embasado pela pesquisa de preços realizada no último dia 9.

O secretário Rougger Guerra explica que, apesar do reajuste para a gasolina (18,7%) e para o óleo diesel (24,9%) anunciado pela Petrobras só começar a valer nas refinarias a partir desta sexta-feira, alguns postos já começaram a aumentar o preço da gasolina na quinta-feira (10), antes da implementação oficial do reajuste. “Não há explicação para a antecipação desse aumento. E quem for pego praticando esse tipo de irregularidade vai sofrer todas as sanções previstas em lei, que vão desde multas à suspensão temporária das atividades”.

O titular do Procon-JP salienta que “além de nossa pesquisa semanal, que nos dá embasamento par avaliar os aumentos praticados, também nos antecipamos e notificamos 10 distribuidoras de combustíveis na última quarta-feira (9), solicitando as notas de compra de todos os tipos de combustíveis para avaliar a evolução dos preços nos últimos 15 dias. Então, estamos prontos para coibir qualquer abusividade por parte dos postos”.

Os preços

De acordo com o aumento editado pela Petrobras, a gasolina vai subir em torno de R$ 0,60 nas bombas. A última pesquisa do Procon-JP (dia 9 de março) mostrou o preço do produto oscilando entre R$ 6,320 e R$ 6,590, com o diesel S10 sendo praticado entre R$ R$ 5,490e R$ 5,950, e o o diesel comum entre R$ 5,438 e R$ 5,749. “Por esses números já se nota que o consumidor vai sentir o peso no bolso e vai ter que reorganizar o orçamento mensal. Por isso, é inadmissível ser penalizado ainda mais por um aumento antecipado. Isso não pode ocorrer impunemente”, argumentou o secretário do Procon-JP.

Comentários