Pfizer se pronuncia sobre erro e pede acompanhamento a crianças vacinadas

0
96

A farmacêutica Comirnaty/Pfizer se pronunciou, na tarde desta terça-feira (18)  sobre o caso de Lucena, onde crianças de cinco a 11 anos de idade foram vacinadas contra a Covid-19 com imunizantes de adultos vencidos. Procurada pela reportagem, a empresa produtora da vacina reiterou a necessidade de acompanhamento dos sinais vitais das pessoas que receberam o imunizante fora do prazo de validade e tratamento sintomático.

A Pfizer disse que tem acompanhado os casos de administração indevida do imunizante, bem como os potenciais danos decorrentes dessas aplicações.

“Para casos como esse, especificamente, recomenda-se o monitoramento dos sinais vitais e o possível tratamento sintomático. Se houver alguma dúvida e/ou algum sintoma a recomendação é procurar o profissional ou serviço médico de referência”, diz a nota.

A Secretaria Estadual de Saúde (SES) admitiu que pelo menos 49 crianças foram vacinadas de forma indevida em Lucena, litoral norte do estado. O imunizante utilizado teria sido para adultos e vencido, de acordo com as primeiras investigações. A aplicação também está sendo investigada, uma vez que aconteceu antes do envio das doses pediátricas pelo Ministério da Saúde.

Órgãos de controle estão acompanhando as crianças que foram vacinadas indevidamente, dentre eles, o próprio Ministério da Saúde, Anvisa e autoridade locais. O secretário de saúde do município, inclusive, foi exonerado e a técnica responsável pela aplicação terá que prestar esclarecimentos.

Veja a nota: 

Com relação ao caso das crianças na Paraíba que receberam uma dose da vacina não dedicada ao público infantil da ComiRNAty, esclarecemos:

  • Para casos como esse, especificamente, recomenda-se o monitoramento dos sinais vitais e o possível tratamento sintomático. Se houver alguma dúvida e/ou algum sintoma a recomendação é procurar o profissional ou serviço médico de referência.  
  • A Pfizer realiza habitualmente o acompanhamento de relatos de potenciais eventos adversos e erros de administração de seus produtos, mantendo sempre informadas as autoridades sanitárias brasileiras, de acordo com a regulamentação vigente.
  • Especificamente para a vacina ComiRNAty, a fim de facilitar ainda mais o contato com a empresa e o monitoramento dos potenciais eventos adversos da vacina, a Pfizer estabeleceu um portal para comunicação de informações relacionadas a relatos de eventos adversos: https://www.pfizersafetyreporting.com/#/pt.  
  • Pacientes que apresentem qualquer quadro de potencial evento adverso devem manter acompanhamento médico ou com serviço de saúde de referência e seguir as condutas clínicas instituídas e orientadas por tais responsáveis. 
  • Os profissionais de saúde, incluindo os médicos, podem acessar os canais de comunicação da Pfizer para obter informações técnicas ou ter acesso a literatura médica especializada. 
  • Os estudos clínicos que levaram à aprovação da vacina da Pfizer e BioNTech para população de 5 a 11 anos de idade basearam-se no regime de duas doses de 10 mcg por dose. Essa formulação chegará aos países em um frasco com coloração diferente, na qual a tampa e o rótulo são apresentados na cor laranja, como forma de facilitar a diferenciação desses para os outros frascos destinados à população adolescente e adulta, que tem a cor roxa (acima de 12 anos, que tem regime de duas doses de 30 mcg).

Comentários