Polícia colhe depoimentos sobre políticos que ficam com parte dos salários de servidores; câmaras na Grande JP podem estar na mira da PC

0
120
Delegado Allan Murilo Terruel investiga os casos de corrupção na Câmara de Conde

O delegado Alan Murilo Terruel, da Delegacia Especializada Contra o Crime Organizado (Deccor), vai colher novos depoimentos de assessores ex-assessores de vereadores citados em denúncia de corrupção na Câmara de Vereadores do Conde, na Região Metropolitana da capital. A oitiva está agendada para a quinta-feira (11).

Terruel explicou que os depoimentos farão parte da segunda etapa das investigações. “Vamos colher os depoimentos para aprofundar ainda mais as investigações. Os casos são graves e vamos investigar todas as denúncias apresentadas. Quinta-feira, assessores e ex-assessores vão até a Deccor esclarecer os fatos”, disse.

Durante um dos depoimentos, foi citado o caso envolvendo um ex-vereador de João Pessoa. A partir dessa informação, a Deccor deverá estender as investigações sobre contratação de funcionários fantasmas e de casos em que o político fica com a maior parte dos salários dos servidores.

“Tudo será investigado. Não vou deixar nada passar em branco. Cada denúncia que chega ao meu conhecimento eu vou a fundo. Mas, para isso, é necessário que as pessoas denunciem. Tudo é sigiloso ”, explicou o delegado informando que outras câmaras municipais da região metropolitana de João Pessoa poderão ser alvo de ação da Deccor.

Para denunciar, pode ligar para os números: 3264-1571 ou 197.

Conde

O vereador Fernando Araújo, conhecido como ‘Fernando Boca Louca’, do município de Conde, no Litoral Sul do estado, está sendo investigado acusado de usar uma mulher analfabeta e usuária do Bolsa Família como ‘laranja’. As investigações estão sendo coordenadas pelo delegado Allan Terruel, através da Delegacia Contra o Crime Organizado (Deccor) da Polícia Civil da Paraíba. Outros vereadores também serão investigados. O vereador confessou todas as acusações em depoimento.

Durante as investigações, a Polícia Civil identificou que outras pessoas também participaram do esquema criminoso. Ex-vereador Muniz, vereadores Malba, Luzimar e Naldo do Cell foram citados em depoimentos.

“Identificamos até que assessores não receberam dinheiro. As pessoas que tiveram nomes usados pelos vereadores e ficaram sem receberam os salários, devem procurar a Delegacia de Combate ao Crime Organizado, na Central de Polícia, em João Pessoa e denunciar para que possamos abrir investigação e combater a corrupção”, avisou o delegado.

O vereador Fernando vai responder por corrupção e lavagem de dinheiro. Os políticos citados em depoimento foram procurados pela reportagem para prestar esclarecimentos, mas ninguém foi achado.

 

 

Comentários