Parada cardiorrespiratória causa morte do presidente da Asdef, em João Pessoa

1
663

Uma parada cardiorrespiratória causou a morte de Francisco Izidoro, presidente da Associação de Deficientes e Familiares (Asdef), por volta das 19h30 desta sexta-feira, 19. Ele estava em casa no momento em que se sentiu mal e a informação de seu falecimento foi divulgada por amigos através do WhatsApp.

O velório de Izidoro será realizado na Central Rosa de Saron, em Jaguaribe, de 12 às 16h e o enterro ocorrerá neste domingo em São Mamede, sua cidade natal.

Amiga de Izidoro e ex-secretária de Desenvolvimento Social da Prefeitura de João Pessoa, Douraci Vieira disse que Izidoro estava deprimido desde a deflagração da Operação Belerofonte. “Ele teve consciência de que não acertou na gestão da associação, mas isso não aconteceu por má fé ou corrupção. Mesmo assim, ele foi muito exposto e ficou muito envergonhado. Além disso, Izidoro não cuidava muito da saúde e não sabia, mas tinha problemas cardíacos. Ontem, foi um dia extremamente difícil para ele porque uma assembleia da Asdef decidiu pelo fechamento das portas e pela distribuição dos bens. Fizemos isso ontem e isso causou muita dor nele, que passou mal várias vezes, mas nos disse que deveria ter sido algo que ele havia comido”.

Na quinta-feira, Izidoro havia sido encaminhado ao Hospital da Unimed por causa de desconfortos. O especialista de plantão detectou uma alteração nos batimentos cardíacos, que estavam muito altos. Ele foi levado à área vermelha e depois à “semi-UTI”, tendo sido liberado para um apartamento depois da realização de exames. O paciente, contudo, alegou que sentia claustrofobia e preferia ficar em casa. O médico, portanto, diante de um quadro de esgotamento nervoso, entendeu que Izidoro poderia se sentir melhor em casa e o autorizou a voltar para sua residência, em Tambauzinho, com a recomendação de procurar o hospital, que ficava perto de onde mora o paciente, a qualquer sinal de mal estar.

Ele voltou a se sentir mal, mas não procurou o hospital. Às 19h30, Izidoro teve a parada cardiorrespiratória e foi levado às pressas ao Hospital da Unimed, onde não pôde ser reanimado.

Manchetes negativas – A mensagem de WhatsApp compartilhada por amigos de Izidoro se refere a denúncias contra a Asdef. O dirigente foi posto sob suspeita por ameaças a pessoas portadoras de necessidades especiais, não pagamento de direitos trabalhistas, apropriação de valor alheio, uso de documentos falsos e também possível lavagem de dinheiro. Além de Izidoro, Mércia Alves, tesoureira da associação também foi incluída na investigação da Operação Belerofonte, desencadeada pelo Grupo de Atuação Especial Contra o Crime Organizado (Gaeco) do Ministério Público da Paraíba (MPPB), em atuação conjunta com a Delegacia especializada no combate ao crime organizado (Deccor).

A investigação começou após um relatório da gerência de controle interno do Tribunal de Justiça da Paraíba (TJPB), que identificou a incompatibilidade da documentação exigida de regularidade fiscal e trabalhista intrínsecas ao contratado durante a execução do contrato.

Parlamento PB

1 COMENTÁRIO

  1. Se o título da notícia é a morte de Francisco Isidoro, o texto deveria se prender ao velório, as falas e opiniões das tantas pessoas que se encontravam no velório, bem como, sobre o legado de militância que este deixa, na luta pelo empoderamento, inclusão e pelos direitos das pessoas com deficiência.
    Ele pode ter cometido erros na gestão da Asdef, mas ao longo de sua vida foi um grande homem

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Por favor preencha seu nome