Agentes cobrariam R$ 15 mil para introduzir celulares no PB1, em João Pessoa

0
212

Agentes penitenciários da Paraíba estão sendo investigados por facilitar a entrada de aparelhos celulares na Penitenciária de Segurança Máxima Romeu Gonçalves Abrantes, o PB1, em João Pessoa.

O caso está sendo apurado dentro da Operação Black Friday, deflagrada pelo Grupo de Atuação Especial Contra o Crime Organizado (GAECO) do Ministério Público Estado da Paraíba (MPPB), em ação conjunta com a Delegacia especializada no combate ao crime organizado (DECCOR) e a Gerência de Inteligência e segurança orgânica da Secretária de Administração Penitenciária (GISOP).

As investigações apontam que os aparelhos celulares eram comercializados por diversos agentes penitenciários aos presos, no valor de R$ 15 mil. Já os carregadores eram comercializados por R$ 4 mil.

Os investigados podem responder por corrupção ativa e passiva (Art. 317 e 333 ambos do Código Penal), lavagem ou ocultação de ativos financeiros (Art. 1º da lei 9.613/98) e participação em organização criminosa (Art. 2º da lei 12.850/2013).

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Por favor preencha seu nome