Janduhy apresenta Voto de Pesar por morte de tenente e diz que PM tem que usar metralhadora ponto 50

0
52

O deputado estadual Janduhy Carneiro (Patriota) ocupou a tribuna da Assembleia nesta terça-feira (11) para apresentar Voto de Pesar pela morte do tenente da Polícia Militar Erivaldo Moneta. O parlamentar também criticou o caos na segurança pública da Paraíba e lembrou que em seus discursos sempre falou do assunto e cobrou investimentos e valorização da segurança no estado.

Ele comparou a situação da insegurança na Paraíba à de países em guerra declarada e afirmou que a Polícia Militar deve ter poder de fogo igual ao dos criminosos e usar fuzil ponto 50, arma exclusiva das forças armadas, porém são usadas em ações rotineiras de bandidos.

Para Janduhy, a sociedade precisa de respostas plausíveis para o caos que se estabeleceu na segurança pública do Estado.

“Inicialmente quero hipotecar minha solidariedade à família do tenente Erivaldo Moneta da Silva, mais uma baixa nos quadros da nossa briosa Polícia Militar da Paraíba. Tivemos uma guerra no PB1 em que meliantes fortemente armados, com potencial de equipamentos superior aos da polícia da Paraíba, com metralhadoras de uso exclusivo das forças armadas, numa luta desigual com a PM resultou numa na morte de um grande homem. Há tempos que nós temos apresentado propostas para melhoria da segurança pública do estado e nada vem sendo feito”, destacou o deputado

O parlamentar ainda informou que durante o ataque de criminosos ao presídio de segurança máxima, o PB1, apenas 12 policiais e 17 agentes penitenciários faziam a segurança, um efetivo insuficiente.

Janduhy disse que o Governo do Estado deveria cumprir a Lei Complementar 87/2008, que prevê um efetivo de mais de 17 mil policiais, mas na prática há na Paraíba pouco mais de 8 mil na ativa.

“Já falamos aqui que o efetivo da Polícia Militar, Polícia Civil, agentes penitenciários não tem como combater o crime organizado. a responsabilidade e a culpa não pode ser recaída para as forças de segurança. A responsabilidade é de competência de prerrogativa daquelas que tem a obrigação e prometeram nas campanhas de 2010 e 2014 aumentar o efetivo da Polícia Militar e das outras corporações em mais 5 mil policiais. Lamentavelmente só se lembram de dizer isso na época de campanha, como dizia e como prometeu o atual governador”, afirmou o parlamentar.

Janduhy ainda pontuou que após o término das campanhas, o governador esqueceu de cumprir os compromissos assumidos, como o PCCR para agentes penitenciários, remuneração digna para policiais militares.

“A bolsa desempenho quando um policial vai para reserva remunerada perde mais de 40% da sua remuneração. A tropa trabalha buscando fazer dentro das suas limitações e dificuldades, um trabalho digno e honrado, mesmo com o pior salário do pais, piores soldos do Brasil. A Paraíba tem uma polícia com contingente reduzido, sem armamento que possa competir em condições de igualdade com criminosos com armas de alto poder de fogo, metralhadores .50, uma guerra como essa é desigual. Temos que mudar a legislação do nosso pais para que as forças de policias estaduais possam ter direito a usar metralhadoras como as que foram usadas pelos meliantes que explodiram o presídio da Paraíba. Se essas medidas não forem tomadas, são capazes de atentarem contra outros presídios do nosso estado”, finalizou o parlamentar.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Por favor preencha seu nome