Manifestação em apoio ao ex-presidente Lula tem confronto com PM e 4 feridos em João Pessoa

0
24
(Foto: André Resende/G1)

Uma caminhada em João Pessoa em apoio ao ex-presidente Lula, que tem um recurso julgado nesta quarta-feira (24) no TRF-4 no caso do triplex do Guarujá, resultou em confronto entre a Polícia Militar e manifestantes. Quando o ato público chegou à frente da sede da Justiça Federal em João Pessoa, manifestantes tentaram forçar o portão para entrar no local. Houve conflito com a Polícia Militar, resultando em pelo menos um policial feridos e três manifestantes feridos – sendo um deles o deputado estadual Frei Anastácio (PT).

A estimativa da organização é de que, pelo menos, 500 pessoas estejam na concentração, e a expectativa é de reunir até 2 mil pessoas até o fim dos atos. A Polícia Militar informou que não está divulgando estimativa dos participantes na manifestação.

A caminhada saiu por volta das 9h (horário local) da Praça João Pessoa, no Centro da cidade, onde fica a sede dos Três Poderes, e seria encerrada ao chegar à sede da Justiça Federal, que fica no bairro de Pedro Gondim, na capital.

O G1 apurou no local com a organização do ato que pelo menos um manifestante foi detido e liberado pouco depois. Segundo o coronel Sena, da Polícia Militar, responsável por negociar o fim do tumulto, não há nenhum manifestante preso na sede da JF.

O tumulto começou após a chegada ao ponto final da caminhada, quando algumas pessoas tentaram forçar a entrada no prédio da Justiça Federal. Um confronto se iniciou com manifestantes atirando pedras e a polícia atirando balas de borracha e bombas de efeito moral. Pelo menos dois manifestantes foram feridos por balas de borracha e um policial sofreu uma pedrada na cabeça.

Os manifestantes foram levados em carros particulares para o Hospital de Emergência e Trauma de João Pessoa. O deputado Frei Anastácio foi atingido na testa por uma bala de borracha, mas continuou no local e não precisou de atendimento médico. A Polícia Militar informou ainda que não vai se posicionar no momento sobre o conflito ou sobre o estado de saúde do policial.

“É uma mobilização nacional muito grande, foi uma vitória dos movimentos sociais que nós realizamos no país de ontem para hoje. João Pessoa organizou sua atividade, estamos em vigília aqui desde ontem e várias cidades da Paraíba organizaram atividades. É uma data importante para o PT e para a democracia brasileira, nós acreditamos na absolvição do presidente, e temos certeza que todo esse movimento que realizamos não foi em vão, foi importante, porque a pressão popular é que vai garantir a presença do presidente Lula nas urnas”, disse o presidente do PT na Paraíba, Jackson Macedo.

Em Campina Grande

O ato em apoio ao ex-presidente Lula, em Campina Grande acontece na praça, que fica localizada no Complexo Judiciário de Campina Grande. De acordo com os organizadores, cerca de 100 pessoa participam da concentração no local. Os manifestantes realizam discursos no local, mas não há previsão de caminhada ou outros atos programados. A Polícia Militar está presente para fazer a segurança, mas não divulgou estimativa de participantes.

Julgamento do recurso

O julgamento do recurso apresentado pelo ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva no processo do triplex em Guarujá está sendo realizado na sede do Tribunal Regional da 4ª Região (TRF4). A data foi marcada nesta terça-feira (12) pela 8ª Turma da corte, com sede em Porto Alegre. Em nota, a defesa de Lula criticou a “tramitação recorde” do processo (leia a íntegra mais abaixo).

Em julho, Lula foi condenado pelo juiz Sergio Moro, responsável pela Lava Jato na primeira instância, a 9 anos e seis meses de prisão por corrupção passiva e lavagem de dinheiro no processo envolvendo o triplex. A acusação foi de ocultação da propriedade do imóvel, recebido como propina da empreiteira OAS em troca de favores na Petrobras. Outros dois réus no mesmo processo também foram condenados, e quatro, absolvidos.

A Justiça Federal no Paraná também determinou o bloqueio de R$ 16 milhões, estabelecido como dano mínimo, e o sequestro do apartamento. Lula também teve bloqueados mais de R$ 600 mil de contas bancárias e cerca de R$ 9 milhões que estavam depositados em dois planos de previdência privada. A sentença publicada no dia 12 de julho permite que o petista recorra em liberdade.

G1

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Por favor preencha seu nome