Nova delação implodiu credibilidade do TCU

0
9

Além de doações a campanhas de políticos de diversos partidos, uma revelação do empresário Ricardo Pessoa, dono da construtora UTC, estremesse o Tribunal de Contas da União (TCU), que pode ter a credibilidade implodida com o caso.

Segundo Pessoa, o advogado Tiago Cedraz, filho do ministro Aroldo Cedraz, que preside o Tribunal de Contas da União, era pago para vazar informações da corte, reportagem publicada pelo Estadão neste sábado.

Tiago recebia, segundo revelou o empresário, R$ 50 mil por mês para passar a ele informações do tribunal que envolvessem os interesses da empreiteira. O escritório do advogado também foi contratado para atuar em caso sobre a Usina de Angra 3, serviço para o qual fechou o pagamento de R$ 1 milhão com a UTC.

O caso da usina discutia licitação para obras que chegavam a R$ 2 bilhões. A UTC e outras empresas envolvidas na Lava Jato faziam parte do Consórcio Una 3, que estava interessado no contrato bilionário. A concorrência foi parar no tribunal de contas por representação de um dos participantes. Na ocasião, o ministro Aroldo Cedraz se declarou impedido de votar, uma vez que o escritório de seu filho atuava no caso.

Não é a primeira vez que o nome de Tiago é citado na Lava Jato. Anteriormente, o policial federal Jayme Alves de Oliveira Filho, conhecido como “careca”, revelou em depoimento ter levado “dinheiro do [doleiro Alberto] Youssef” algumas vezes no escritório do advogado, em Brasília.

Vale lembrar que atualmente o tribunal já se move pelo impeachment da presidente Dilma Rousseff com o julgamento das chamadas “pedaladas fiscais”, prática corriqueira até mesmo em governos anteriores, mas que podem levar à reprovação das contas de 2014. Os ministros deram 30 dias para que a presidente Dilma Rousseff pudesse se explicar sobre o que consideram ser irregularidades. (Brasil 247)

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Por favor preencha seu nome