16/06/2015 às 14h06
Projeto em risco

PSDB pode estar às portas de reacender a divisão interna

CANDIDATOS/PARQUE DA JUVENTUDE/VISITA

O PSDB tem Aécio Neves e Geraldo Alckmin, dois candidatos a 2018 que não dizem que são candidatos. Tem também José Serra, um candidato a estorvo para atazanar a vida de seus correligionários. O estatuto do partido prevê a realização de eleições prévias. Mas elas não foram regulamentadas. Esses elementos conduzem os tucanos à antessala de um incêndio sem saída de emergência. Quando o PSDB cair em si, as chamas da divisão interna já terão derretido o projeto de voltar ao Planalto.

Neste domingo, Aécio e Alckmin estrelaram as convenções estaduais que elegeram novos presidentes para os diretórios do PSDB em seus Estados. O encontro de São Paulo converteu-se numa espécie de ato inaugural da presumida candidatura presidencial de Alckmin. Na convenção mineira, discursou um Aécio reenergizado: “Se não venci as eleições, hoje o meu ânimo é ainda maior.”

Antes que recomece a velha guerra interna entre os tucanos dos dois maiores colégios eleitorais do país, o PSDB se tornaria uma legenda menos previsível se introduzisse método na sua balbúrdia. Faria isso se providenciasse a regulamentação das prévias previstas no seu estatuto.

É cedo? Claro que não. Para funcionar, o processo deve ser deflagrado no início de 2016 com uma campanha de filiação partidária que aproveite as eleições municipais. Os tucanos trombeteariam a seguinte mensagem: filie-se ao PSDB e ajude o partido a escolher o candidato à Presidência.

Ao longo do ano pré-eleitoral de 2017, os tucanos promoveriam um intenso debate nacional. Quem tivesse o que dizer subiria no caixote. Com alguma sorte, 16 anos depois de ter saído do Planalto, o PSDB chegaria ao início de 2018 dispondo de algo parecido com uma crítica propositiva aos governo do PT. O processo daria uma alma ao PSDB. E as prévias consagrariam o candidato que fosse mais competente ao informar o que tem a oferecer.

Fora desse script, o tucanato ofecerá à plateia mais do mesmo: esconde-esconde e desconversa. Um partido que puxa a bola de ferro do mensalão mineiro com um pé e arrasta as correntes do cartel paulista dos trens com o outro já deveria ter aprendido que o ódio, sozinho, não ganha eleição.

Em privado, Lula condiciona seu retorno à capacidade de recuperação de Dilma Rousseff. Mas se tudo o que o PSDB tiver a oferecer for uma briga interna e o horror ao PT, vai acabar empurrando Lula para a disputa e estimulando o eleitor a perdoá-lo por ter vendido Dilma por lebre.

Josias de Souza – UOL

Comentários