02/06/2015 às 07h55 • atualizado em 02/06/2015 às 06h57
Em Campina Grande

Polo calçadista começa a sair do papel

Pelo menos foi essa a impressão externada nesta segunda-feira, 1º de junho, por um grupo de empresários paraibanos que visitaram o Complexo Multimodal Aluízio Campos, no bairro do Ligeiro, zona sul da cidade.

A comitiva foi recepcionada pelo prefeito licenciado Romero Rodrigues, além do secretário de Obras André Agra, do presidente da Agência Municipal de Desenvolvimento (AMDE), Alcindor Vilarim, e do coordenador da Secretaria de Desenvolvimento Rosalvo Meneses Filho. Membros do Conselho Municipal de Desenvolvimento Econômico (CMDE) também acompanharam a visita.

“É com muito entusiasmo que nós realizamos uma visita como essa. E o sentimento é de muita alegria depois dessa apresentação das instalações do Aluízio Campos pelo prefeito Romero.  É um enorme canteiro de obras, onde nós, empresários da terra, vamos ter o nosso espaço. Nós precisávamos disso, um centro de distribuição calçadista, de confecção e têxtil. É um sonho do nosso setor que está se tornando realidade”, comentou o presidente do Sindicato da Indústria de Calçados do Estado da Paraíba (Sindicalçados/PB), Sebastião Acioly.

Durante a visita, o terreno onde deverá ser instalado o Polo Calçadista foi apresentado aos empresários. O espaço tem localização privilegiada, uma vez que fica às margens da BR-104, próximo ao entroncamento com a BR-230 e ao Aeroporto João Suassuna.

Antes, a comitiva acompanhou os trabalhos de construção das 4.100 unidades habitacionais do complexo, a maior obra em andamento no setor atualmente no Brasil.

Para o vice-presidente do Sindicato da Indústria do Vestuário da Paraíba (Sindvest/PB), Francisco Assis Medeiros, que acompanhou o presidente João Fernandes Queiroz, os empresários do setor estão cada vez mais empolgados com o projeto elaborado pela Prefeitura de Campina Grande.

“Após a apresentação, o prefeito Romero nos deixou mais fortalecidos em função de um sonho antigo que o nosso segmento tem, principalmente depois de conhecermos a área reservada para a instalação do Polo. Aqui, às margens da BR, todos os dias passam pessoas para o polo de confecções de Pernambuco, e com o advento do nosso espaço, essas pessoas também fortalecerão o nosso segmento”, disse.

Já Evanilson Dias, assessor de gabinete da Federação das Indústrias do Estado da Paraíba e membro do CMDE, destacou o complexo como o futuro de Campina Grande.

“A cada visita ao Aluízio Campos aumentamos a certeza de que nossos trabalhos no Conselho de Desenvolvimento não ficarão apenas no papel. Nós temos a convicção de que esse complexo já é um realidade para o Nordeste e um orgulho para o Brasil”, pontuou.

Instalado em uma área de 800 hectares, o Aluízio Campos vai receber empreendimentos do comércio, indústria, ciência, tecnologia e empresas do setor de logística, além de 4.100 casas, três creches, duas escolas, dois postos de saúde, duas praças com academia e um Centro de Referência de Assistência Social (Cras), bem como toda a infraestrutura necessária (água encanada, energia elétrica, esgotamento sanitário, drenagem, pavimentação e eletrificação).

Comentários