27/05/2015 às 21h51
Dificuldades

Turmalina não garante vida de qualidade a moradores de São José da Batalha

Cidade pobre – 65% das residências de Salgadinho estão na zona rural

A vida dos habitantes de São José da Batalha, no município de Salgadinho, no interior da Paraíba não é brilhante ou luxuosa como a rica e bela pedra de turmalina que brota do seu solo. O contraste entre a riqueza da pedra e a pobreza do povo só mostra o quanto os lucros exorbitantes alcançados com a comercialização ilegal da pedra fazem falta em uma contrapartida para o povo do local.

Segundo dados do aplicativo Identificação de Localidades e Famílias em Situação de Vulnerabilidade (IDV), do Programa Brasil Sem Miséria, do Governo Federal, 65,7% dos domicílios de Salgadinho estão localizados na zona rural. Dos 3.508 habitantes do município (Censo IBGE 2010), 815 são pessoas, de 15 anos ou mais de idade, que não sabem ler e escrever. Dos domicílios particulares permanentes, 63% têm saneamento inadequado e outros 22,2% possuem saneamento semi-adequado.

Ainda segundo o IDV, 26,3% das pessoas residentes em domicílios particulares permanentes possuem renda de até 70 reais, e 42,6% dos habitantes permanentes de Salgadinho possuem renda de até 1/4 do salário mínimo.

“As pedras que são exibidas em eventos luxuosos por celebridades e magnatas internacionais, e que são alugadas por atrizes de Hollywood para desfilarem no tapete vermelho do Oscar, deveriam também proporcionar aos habitantes de São José da Batalha e Salgadinho o progresso social, possibilitando melhores condições de vida, direitos fundamentais básicos para o desenvolvimento do ser humano, como proclamado pela Constituição Federal e pelos tratados internacionais”, propõe o procurador da República João Raphael Lima.

Leia mais: Turmalinas paraibanas eram “legalizadas” no Rio Grande do Norte

Comentários